Nasceu Sumaúma – Ouça, leia, apoie!

set 2022 radioBem-vinda, Rádio SUMAÚMA!

No primeiro episódio, em 12 de setembro de 2022,  Elizângela Baré, uma das fundadoras da Rede Wayuri de Comunicação Indígena da Amazônia, entrevistou, juntamente com Claudia Wanano (jornalista da Rede Wayuri @rede.wayuri), a jornalista Eliane Brum @brumelianebrum, fundadora da plataforma de jornalismo SUMAÚMA.

A cada duas semanas, sempre às segundas-feiras, a anfitriã Elizângela, indígena do povo Baré, vai conversar com dois jornalistas de SUMAÚMA, que irão contar os bastidores de grandes reportagens, diretamente do Centro do Mundo!

A #RádioSUMAÚMA tem produção da #VemDeÁudio @vemdeaudio
#Podcast #SUMAÚMAJornalismo #SUMAÚMA #ElianeBrum #Amazônia

Ouça AQUI a Rádio Sumaúma

Leia AQUI as reportagens: https://sumauma.com/

Para APOIAR a rede Sumaúma, clique AQUIhttps://apoia.se/sumaumajornalismo

 

Apoie SUMAÚMA – Jornalismo do Centro do Mundo

Gentes queridas,

Vim aqui pedir apoio. É com grande ALEGRIA, essa que é potência de agir, que venho aqui para falar do projeto de uma vida.

Vocês, que me acompanham, conhecem meu jornalismo e conhecem minha luta. Sou jornalista há mais de 30 anos, há 25 cubro as diferentes Amazônias, há cinco vivo em Altamira, no Médio Xingu, epicentro tanto da destruição da Amazônia quanto da resistência.

Nesta semana, começa a nascer:

SUMAÚMA – JORNALISMO DO CENTRO DO MUNDO

Crio essa plataforma de JORNALISMO TRILÍNGUE com Jonathan Watts (editor global de meio ambiente do The Guardian), Carla Jimenez (que comandou o maravilhoso El País Brasil em seus 8 anos de existência), Verônica Goyzueta (correspondente internacional ) e Talita Bedinelli (ex-editora do El País Brasil).

Estamos trabalhando nessa criação desde o ano passado. E neste mês começaremos com uma semente, uma newsletter semanal a partir de 13 de setembro. E começamos com uma newsletter não porque queremos começar pequenos, mas porque não temos dinheiro para ser um jornal online, como queremos.

No mundo em COLAPSO CLIMÁTICO, com a Amazônia quase no ponto de não retorno, nós precisamos responder à urgência e crescer rapidamente, virar, no campo do jornalismo, essa árvore maravilhosa que é a Sumaúma, essa árvore que irriga tanto a TERRA quanto o CÉU.

Precisamos ECOAR e INFLUENCIAR, não só dentro do Brasil, mas em nível global.
Peço que leiam o manifesto no link abaixo, porque é resultado de muito caminho trilhado para compreender o que vivemos.

Escuto esses anos todos, de tantas pessoas, que é necessário um jornal realmente progressista, escuto que preciso escrever mais, outras e outros perguntam como podem me apoiar, tantas e tantas querem saber como podem se engajar na LUTA PELA AMAZÔNIA , na batalha pela natureza, na guerra pela vida. Bem, aí está a resposta.

Para que SUMAÚMA passe de newsletter a jornal e possa fazer real diferença no debate público e na vida das gerações que já nasceram, nós precisamos de dinheiro.
Sua doação mensal será muito relevante para que possamos fazer um jornalismo a partir da FLORESTA!

Alguém pode dizer (ou pensar): mas como apoiar algo que nem começou, que nem sei se vou gostar… Bem, confiamos que meu trabalho de mais de três décadas, assim como o de meus colegas, seja suficiente para avalizar o que somos capazes de fazer.
Estamos aqui, oferecendo o melhor que podemos, o mais difícil que podemos, porque sabemos que estamos em guerra e porque, nessa guerra, nosso lado está sendo massacrado.
Precisamos de LEITORES que façam COMUNIDADE com a gente.
Quero, inclusive, pedir um pouco mais. Se cada um de vocês, além de nos apoiar, conseguir outros CINCO apoios com seus amigos e conhecidos, nós crescemos.
A hora é agora. Como diz Ailton Krenak, o futuro é hoje, pode não haver amanhã.

LEIA O MANIFESTO:
https://apoia.se/sumaumajornalismo

Muito obrigada! Mesmo.
Eliane Brum
Sigam Sumaúma Jornalismo

 

Cenários do Brasil: catástrofe, golpe ou dificuldade extrema

Manifestación contra el presidente de Brasil, Jair Bolsonaro. EUROPA PRESS/CONTACTO/CRIS FAGA (EUROPA PRESS/CONTACTO/CRIS FAGA - Reprodução do El País)

Manifestación contra el presidente de Brasil, Jair Bolsonaro.
EUROPA PRESS/CONTACTO/CRIS FAGA (EUROPA PRESS/CONTACTO/CRIS FAGA – Reprodução do El País)

A mais recente pesquisa do Instituto Datafolha mostrou que, se a eleição fosse hoje, Lula se elegeria no primeiro turno. É a torcida de muitos, por entenderem que seria mais difícil para Jair Bolsonaro executar o golpe que prepara e anuncia em caso de derrota. O problema para Lula – e para qualquer brasileiro que tenha gosto pela democracia – é que o melhor cenário é de extrema dificuldade.

Se Bolsonaro se reeleger, o que está longe de ser impossível, é catástrofe. Se em menos de quatro anos o atual presidente já desmontou o melhor que a democracia construiu no país nos últimos 40 anos, mesmo o mais pessimista teria dificuldades em antecipar o pavor de um segundo mandato. Bolsonaro provou que sua capacidade de destruição é maior do que seus maiores críticos previam. O Brasil se aproxima das eleições com 33 milhões de pessoas em estado de fome crônica. Se Bolsonaro perder e der o golpe que prepara e anuncia, num país em que o número de armas nas mãos de civis quadruplicou durante seu governo, será um horror com consequências difíceis de prever. O melhor cenário é a eleição do único candidato com condições de vencê-lo – Lula – e é este o sentimento que as pesquisas apontam.

O problema é o dia seguinte. E quem melhor o encarnou foi a cantora Anitta, hoje a mais popular artista brasileira no cenário global. Depois que anunciou nas redes sociais seu voto em Lula, o PT tentou usar sua imagem para impulsionar outras candidaturas do partido. Anitta lacrou: “Atenção candidatos do PT, atenção partido PT. Eu NÃO SOU petista. Não autorizo o uso da minha imagem para promover este partido e seus candidatos. Minha escolha nessas eleições foi de trazer engajamento e mídia para a pessoa que tem maior chance de vencer Voldemort (usando a referência ao vilão de Harry Potter para nomear Bolsonaro) nessas eleições”.

Uma parcela daqueles que votarão em Lula só o farão, como Anitta, porque ele é a única chance de derrotar Bolsonaro. Não é um voto de confiança ou adesão ao projeto do PT – e sim um voto antibolsonaro. Para que isso seja possível, Lula busca conciliar os inconciliáveis, fazendo alianças com quem votou pelo impeachment de Dilma Rousseff e com notórios destruidores da Amazônia. O próprio vice, Geraldo Alckmin, quatro vezes governador de São Paulo com um projeto de direita, tem uma folha corrida que causa arrepios, com violência contra estudantes em protesto e massacre de sem-tetos, sem contar o fato de ser padrinho na política de Ricardo Salles, que com Bolsonaro se tornou o pior ministro de meio ambiente da história do Brasil.

Juntar gente que não consegue ficar na mesma sala talvez seja a única forma de derrotar Bolsonaro, mas certamente é uma perspectiva muito difícil para governar um país arruinado. No dia seguinte à possível vitória, a única base para a aliança circunstancial de muitos – derrotar Bolsonaro – vai se desfazer. Restará um presidente que envelheceu nas ideias, que já não representa uma utopia de futuro e que estará amarrado a aliados perigosos. Se no passado Lula representou a esperança, hoje ele representa apenas a esperança de derrotar Voldemort. Ser brasileiro e ser democrata hoje é torcer – muito – pela dificuldade extrema.

Minha coluna no El País (em espanhol)

 

Sob o domínio dos vermes

Por que a violência da eleição de 2022 é maior do que em 2018

Jair Bolsonaro, presidente de Brasil, durante una conferencia de prensa en Brasilia (Brasil), en 2020. ANDRESSA ANHOLETE (GETTY IMAGES / Reprodução do El País Espanha)

Jair Bolsonaro, presidente de Brasil, durante una conferencia de prensa en Brasilia (Brasil), en 2020.
ANDRESSA ANHOLETE (GETTY IMAGES / Reprodução do El País Espanha)

Na campanha eleitoral de 2018, no Brasil, os ressentidos deixaram seus casulos para uma metamorfose às avessas. Orgulhosos de sua essência, batiam em pessoas LGBTQIA+ nas ruas que vissem andando de mãos dadas, gritavam para os pretos “voltarem para as senzalas”, juravam varrer os indígenas da Amazônia, destruíam casas de religião afro-brasileiras. Era a vingança dos ressentidos que acumularam seu rancor por décadas diante dos avanços dos direitos e daquilo que chamam de “prisão do politicamente correto”. Sua ação foi decisiva para eleger seu porta-voz, o então candidato Jair Bolsonaro, que comemorou a vitória prometendo despachar os opositores para a “Ponta da Praia”, local de desova de corpos torturados e mortos pela ditadura militar (1964-1985). A campanha eleitoral de 2022, em que Bolsonaro busca a reeleição, é muito pior.

Depois de quase quatro anos no poder, usando a máquina do Estado para solapar a democracia, o bolsonarismo infiltrou muito mais fundo suas raízes podres nas instituições brasileiras e em organizações da sociedade civil. Se em 2018, os piores ataques racistas, homofóbicos, xenófobos e misóginos eram desferidos por indivíduos ou grupos, em 2022 eles vêm de parlamentos e associações. Embora ambos os cenários sejam pavorosos, a diferença é substancial. E ela mostra que a corrosão da sociedade brasileira será ainda mais difícil de reverter do que acreditam os mais pessimistas. Como o personagem Smith da icônica série Matrix, Bolsonaro se replica aos milhões. Mesmo que ele não seja reeleito nem seja capaz de consumar o golpe que prepara para o caso de derrota, milhares de Bolsonaros se reelegerão no parlamento e seguirão ocupando cargos de poder nas entidades de classe.

Entre as mais recentes agressões por instituições públicas, está o requerimento de uma apoiadora de Bolsonaro em Santa Catarina, um dos estados do racista sul do Brasil, para fazer uma Comissão Parlamentar de Inquérito. Ana Campagnolo quer investigar uma criança que engravidou de um estupro aos 10 anos e que conseguiu fazer um aborto legal depois de muita luta, já que a juíza e a promotora tentaram impedi-la. Para abrir uma CPI nesse parlamento são necessários 14 votos. Ela conseguiu 21, provando que representa a maioria. Mais da metade dos deputados da Assembleia Legislativa está disposta a usar seus mandatos para criminalizar uma criança que, agora com 11 anos, já foi vítima de uma violação sexual, de uma gravidez obviamente indesejada e de um aborto.

Já entre os mais recentes ataques de organizações da sociedade civil, está a carta encaminhada à presidência da República clamando ao governo brasileiro que abandone a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho, que estabelece a necessidade de consulta “livre, prévia e informada” às comunidades indígenas e tradicionais que podem ser atingidas por projetos econômicos. Em 2021, a Amazônia perdeu 18 árvores por segundo, mas as principais associações e federações da indústria do Pará, estado campeão de desmatamento, sentem-se autorizadas a exigir o silenciamento formal dos guardiões da floresta em documento oficial.

Há uma semana, um homem invadiu a festa de outro, tesoureiro do PT na cidade de Foz do Iguaçu, que comemorava o aniversário com uma decoração pró-Lula. Matou-o a tiros, diante de todos os convidados, aos gritos de “Aqui é Bolsonaro”. A Polícia Civil afirmou que não era crime político. E a imprensa responsabilizou não a incitação à destruição dos adversários promovida por Bolsonaro, mas à “polarização”, como se ambos os lados fossem igualmente violentos. É assim que apodrece um país.

Bolsonaro pode perder a eleição, mas a bestialidade do que representa não apenas circula pelas ruas à luz do dia, como em 2018, mas também lidera, em 2022, grande parte do aparato institucional em todas as áreas. Bolsonaro já venceu, mesmo perdendo. E derrotá-lo será uma luta para muito mais do que uma geração.

Leia no El País (somente em espanhol)

Página 1 de 812345...Última »