Brasil llora por una mujer negra, lesbiana y feminista

Minha estreia como colunista de internacional no jornal El País impresso, em Madri.

Los tiros que mataron a Marielle Franco el 14 de marzo, en Río de Janeiro, atravesaron más que su cuerpo. Contra las expectativas de quienes la ejecutaron, las balas alcanzaron la ley no escrita de que los negros pueden morir. Siete de cada diez personas asesinadas en Brasil son negras. Marielle, de 38 años, sería una más en desplomarse sobre el asfalto, sin sonido ni lamento. Pero no lo fue. Esta vez, el clamor por la muerte de una mujer negra, lesbiana y feminista ha provocado una ruptura. El cuerpo destrozado de Marielle Franco se ha convertido en un tótem. Y, como tótem, vive.

Leia o texto completo no El País

 

A invenção da infância sem corpo

Imagem da performance "La Bête", no Museu de Arte Moderna (MAM) de São Paulo HUMBERTO ARAÚJO (DIVULGAÇÃO)

Imagem da performance “La Bête”, no Museu de Arte Moderna de São Paulo/ Foto: Humberto Araújo (Divulgação)

Aqueles que que violentaram a performance do museu sabem que as crianças têm corpo. E que os corpos infantis sentem prazer também erótico. E isso é natural. Cabe aos adultos encontrar limites diante dessa realidade.

O que deve nos preocupar é outro fato: o de que os adultos atuais se sentem tão frágeis, tão incapazes de se colocar limites diante dessa percepção, que precisam eliminar a dimensão erótica do corpo das crianças para que não se sintam compelidos a atacá-las. Neste sentido, a possibilidade tecnológica de viver uma vida sem corpos com nossos brinquedos digitais acirrou um nó que é bem mais enraizado. Exatamente porque a vida humana sem corpo é só uma fantasia. E uma fantasia bastante desesperada, como o acontecimento do museu demonstra.

É também por isso, por causa do medo dos corpos, que o debate está interditado. Ensinar a ter medo do corpo do outro, ensinar que a experiência com o corpo do outro é sempre uma violência, ensinar a punir quem tenta romper o muro entre os corpos, são as lições que temos dado às crianças. E com a desculpa perversa de protegê-las.

Leia na minha coluna no El País

Vidas barradas de Belo Monte

Foto: Lilo Clareto

Antonio das Chagas e família

 

Minha reportagem do The Guardian foi publicada em português no UOL: como um povo da floresta foi convertido em pobre na cidade mais violenta do Brasil. E hoje reivindica “desconversão”, questionando assim o próprio conceito do que é ser rico e do que é ser pobre.

Fotos de Lilo Clareto

Raimundo Braga Gomes

Raimundo Braga Gomes

Eliza Ribeiro

Eliza Ribeiro

Leonardo Batista

Leonardo Batista

Leia a reportagem completa AQUI.

“Fui morto na internet como se fosse um zumbi da série The Walking Dead”

O artista Wagner Schwartz, autor da performance "La Bête", foi vítima de ataques à sua reputação e ameaçado de morte após apresentação no Museu de Arte Moderna de São Paulo, em setembro de 2017. DIVULGAÇÃO/MATTHIAS BIBERON

DIVULGAÇÃO/ Foto de Matthias Biberon

Na minha primeira coluna do ano no El País, entrevistei Wagner Schwartz, o artista que apresentou a performance “La Bête”, no MAM de São Paulo, e foi atacado como pedófilo no obscurantismo do ano de 2017.

“Na internet, fui morto, como se matam os zumbis da série The Walking Dead. Logo depois, disseram que eu havia me suicidado. Customizaram a violência, com o intuito de tornar real a intenção fabulada nos seriados via streaming. Criaram mortes tão reais para mim quanto as que podem virar filmes. Aproximaram a ficção da vida off-line. O sangue na tela parece feito de pixel.”

Quem vai responder pelo que fizeram com sua vida?

Leia no El País

Página 10 de 32« Primeira...89101112...2030...Última »