Europa: eres cómplice de Bolsonaro

Parabéns, Europa. Se tornou cúmplice de Bolsonaro

Ao menos que a população esteja consciente: comerá boi proveniente do desmatamento e colocará no estômago das crianças produtos contaminados com pesticidas, vários proibidos na Europa.

Os principais líderes europeus e da América Latina, depois de assinarem o pacto comercial entre a União Europeia e o Mercosul (Foto: AP/Reprodução do El País)

Os principais líderes europeus e da América Latina, depois de assinarem o pacto comercial entre a União Europeia e o Mercosul (Foto: AP/Reprodução do El País)

Los líderes han desechado el futuro para obtener beneficios a corto plazo

Leia no El País (em espanhol)

 

Ei, Bolsonaro, até o pênis está diminuindo!

O que faria Jair Bolsonaro ouvir o que não quer ou pelo menos prestar atenção no que dizem aqueles que não pertencem ao seu clã? Como a urgência dos acontecimentos exige medidas extremas, alguém pode fazer a gentileza de informar ao antipresidente sobre uma pesquisa que causou barulho no Twitter no final de semana, ao ser divulgada pelo Canal History. Realizada por cientistas da universidade de Pádua, na Itália, ela mostra que jovens expostos ao composto industrial tóxico PFOS (sulfonato de perfluorooctano) têm comprovadamente o pênis menor e mais fino do que a média, além de problemas de fertilidade. Outro efeito colateral seria o aumento de hormônios femininos em homens. Desde 2009, o uso deste veneno é restrito entre os 182 países que fazem parte da Convenção de Estocolmo. Ainda assim, o Brasil é um dos grandes produtores mundiais de sulfluramida, um agrotóxico usado para combater formigas que, quando se degrada no ambiente, resulta na formação de PFOS. Até quando? Tudo indica que até muito. E cada vez mais.

A ministra Tereza Cristina. (Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil/ Reprodução do El País

A ministra Tereza Cristina. (Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil/ Reprodução do El País)

Ao liberar agrotóxicos numa velocidade inédita, o governo envenena o Brasil

Leia na minha coluna no El País 

Parem de nos matar!

Se os colocassem em linha reta, os corpos comporiam um rastro de quase 700 metros de carne humana furada pelas balas. Oito em cada dez são negros. A maioria, homens e jovens. Esta é a imagem dos mortos produzidos pela polícia do Rio de Janeiro só durante o primeiro trimestre do ano: 434 pessoas executadas, quase cinco por dia, o maior número nos 21 anos de registro do Instituto de Segurança Pública.

Habitantes de las favelas de Río muestran fotos de víctimas de violencia mientras participan en una protesta cerca de la playa de Ipanema en Río de Janeiro, Brasil, el pasado 26 de mayo. (Foto: Ricardo Moraes/Reuters/Reprodução do El País)

Habitantes de las favelas de Río muestran fotos de víctimas de violencia mientras participan en una protesta cerca de la playa de Ipanema en Río de Janeiro, Brasil, el pasado 26 de mayo. (Foto: Ricardo Moraes/Reuters/Reprodução do El País)

“Parad de matarnos”

Los habitantes de las favelas de Río piden ayuda contra la policía que extermina a los jóvenes negros

Leia no El País (em espanhol)

Página 12 de 49« Primeira...1011121314...203040...Última »