Brasil, a vingança dos ressentidos

A eleição de Jair Bolsonaro, o populista de extrema direita que será o próximo presidente do Brasil, liberou alguma coisa no país. Um ressentimento contido há muito, por muitos. Todos os tipos de repressão emergiram dos esgotos do inconsciente e hoje desfilam euforicamente pelas ruas, escolas, universidades, órgãos públicos, refeições familiares.

Votantes de Jair Bolsonaro celebran su victoria en las elecciones de Brasil el pasado 28 de octubre. BUDA MENDES/GETTY IMAGES (Reprodução do El País)

Votantes de Jair Bolsonaro celebran su victoria en las elecciones de Brasil el pasado 28 de octubre. BUDA MENDES/GETTY IMAGES (Reprodução do El País)

Leia no El País (em espanhol e em português)

Aos indecisos, aos que se anulam, aos que preferem não

Quando o que está em jogo é a própria democracia, votar em branco, anular o voto ou não votar está fora do campo das possibilidades. Votar em branco, anular o voto ou deixar de votar não é posição neste momento, mas omissão. E omissão é um tipo de ação. Neste momento, o pior tipo de ação possível.

(Minha carta àqueles que ainda são capazes de escutar para além do ódio que interdita as palavras)

Fernando Haddad, candidato à Presidência. Foto: ANDRE PENNER/AP (Reprodução do El País)

Fernando Haddad, candidato à Presidência. Foto: ANDRE PENNER/AP (Reprodução do El País)

O maior delírio vivido hoje no Brasil é o da “normalidade”

Leia no El País

Brasil após o primeiro turno da eleição presidencial

No dia 18 de outubro, estive em Berlim, junto com Itamar Silva, para falar sobre este momento do Brasil em diferentes espaços. Falamos sobre os desafios e impasses e também sobre as hipóteses de cada um sobre como chegamos até aqui. Quem se interessar, esta é a íntegra do evento de 18 de outubro, promovido pela Fundação Heinrich Böll. Em português.

Bolsonaro é uma ameaça ao planeta

A maior ameaça representada por Bolsonaro não é apenas para o Brasil, mas para o planeta. Além de anunciar que pode tirar o Brasil do Acordo do Clima de Paris, que busca controlar o aquecimento global, o candidato de extrema direita já anunciou várias medidas que vão abrir a Amazônia para o desmatamento.

Entre elas, afirmou que, além de fundir o ministério do Meio Ambiente com o de Agricultura, vai entregá-lo para um representante do “setor produtivo”. Também já afirmou que não vai demarcar um centímetro a mais de terras indígenas, hoje as principais barreiras ao desmatamento, e pretende que as já demarcadas possam ser vendidas. Também já disse que nenhum fazendeiro vai ser incomodado por fiscais do IBAMA. “Não vai ter um canalha de fiscal metendo a caneta em vocês!”, discursou em julho. “Direitos humanos é a pipoca, pô!”

Com 20% da floresta já destruída, a Amazônia está muito perto do ponto de virada (tipping point). Se isso acontecer, a floresta deixará de ser floresta para se tornar uma região de vegetação esparsa e baixa biodiversidade. Se a maior floresta tropical do mundo for destruída, combater a mudança climática global será quase impossível.

Em 8 de outubro, autores do relatório do Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (IPCC) alertaram que o aquecimento global não pode ultrapassar 1,5 graus C. Meio grau a mais multiplicaria os riscos de seca, inundações, calor extremo e pobreza para centenas de milhões de pessoas. Alertaram também que só há 12 anos para reverter esse processo. DOZE ANOS.

A floresta amazônica é essencial para controlar o aquecimento global. E Bolsonaro já anunciou medidas que vão entregá-la para os grileiros/agronegócio e abri-las ao desmatamento para ser convertida em pasto pra boi, latifúndio de soja e área de mineração.

Como o debate foi sequestrado no Brasil, o maior risco quase não é mencionado ou é simplesmente ignorado. Dentro do país. E também fora, onde a falta de posição de governos e parlamentos da maioria dos países sobre a ameaça que assombra o Brasil é uma vergonha de dimensões globais.

Se não for por posicionamento humanitário, representado pelo risco de um defensor da ditadura, da tortura e do extermínio dos diferentes se tornar o presidente do maior país da América do Sul, que pelo menos seja por cálculo: o Brasil pode ser um país periférico, mas a Amazônia não. A maior floresta tropical do planeta é essencial para o futuro do planeta. De todo o planeta.

El candidato ultraderechista del partido PSL a la presidencia de Brasil, Jair Bolsonaro, el pasado 11 de octubre de 2018, en Río de Janeiro (Brasil). Foto: MARCELO SAYÃO (EFE/Reprodução do El País)

Jair Bolsonaro/Foto: Marcelo Sayão (EFE/Reprodução do El País)

O candidato de extrema direita já anunciou medidas que vão abrir a Amazônia ao desmatamento

Leia no El País

“O ódio deitou no meu divã”

Ele entra sem dizer uma palavra e logo começa a chorar. Pergunto o que aconteceu e ele me diz, assustado, que foi abordado por um cara da faculdade, com as seguintes palavras:

– E aí, seu viadinho de merda, já viu as pesquisas? Vai aproveitando até o dia 28 pra andar de mãozinha dada, porque, quando o mito assumir, acabou essa putaria e você vai levar porrada até virar homem.

Depois, é a menina que já entra chorando e me diz:

— Sil, me ajuda… não sei o que fazer… você não vai acreditar no que aconteceu comigo hoje… Eu estava na escola e fui pegar um livro no meu armário… Tinha uma folha de papel…

Aí ela me mostra uma foto no celular, porque entregou a tal folha na diretoria, com esta mensagem aqui:

– Achou mesmo que era só sair gritando #elenão pra parar o bolsomito, feminazi??? Perdeu, escrota!! E daqui a pouco você vai ter motivo pra gritar de verdade!!!

O relato, feito pelas redes sociais, é da psicanalista Silvia Bellintani, pouco antes do primeiro turno das eleições. Devidamente autorizada pelos pacientes, ela conta o que escutou de dois deles no seu consultório, numa mesma tarde: ele, homossexual, 19 anos; ela, heterossexual, 17 anos, feminista.

Nos últimos dias, começaram a circular posts de psicanalistas e psicólogos que decidiram levar para o debate público o que escutam no seu consultório. Sem expor os pacientes, mas apontando o que vem acontecendo na sociedade brasileira apenas pela possibilidade, bastante grande, de um homem como Jair Bolsonaro, defensor da ditadura, da tortura e da violência, assumir a presidência do país.

(Leia mais no El País)

O presidente do PSL em coletiva de imprensa no dia 7. ANTONIO LACERDA EFE (Reprodução do El País)

O presidente do PSL em coletiva de imprensa no dia 7. ANTONIO LACERDA EFE (Reprodução do El País)

Relatos de psicanalistas revelam a violência que cresce e se infiltra no Brasil com a possibilidade de Jair Bolsonaro chegar à presidência da República

Página 2 de 3312345...102030...Última »