Como pode uma empresa controlar a vida e a morte?

A guerra da humanidade em transe climático está se passando na Volta Grande do Xingu, agora, em miniatura. Entre os que são natureza —e os que esvaziam a natureza e a convertem em mercadoria. Entre os que chamam o que é vivo de “recurso”— e os que chamam o que é vivo de “vivo”.
Para entender como o capitalismo neoliberal converte a Amazônia em um laboratório de catástrofe climática repetindo o que faz com a nossa vida todos os dias.

Árvores mortas no rio Xingu. LILO CLARETO (Reprodução do El País)

Árvores mortas no rio Xingu. LILO CLARETO (Reprodução do El País)

Leia no El País 

1000 dias sem Marielle

marielleHoje, há 1000 dias sem Marielle Franco e Anderson Gomes, estamos juntos lembrando e fazendo lembrar, estamos juntos exigindo justiça. E, por estarmos juntos, somos mais potentes.

Somos +um+um+… O que fazemos, hoje, juntos, é dizer: não esqueceremos nem deixaremos esquecer.

Lembrar, fazer memória da execução de uma mulher, negra, LGBTQIAS+, criada na favela, que ousou fazer política no centro, desafiando os donos do poder e as milícias, é gesto coletivo de resistência. Estamos dizendo que não aceitamos mais um país em que uma parte da população é “matável” por sua cor, por seu gênero, por sua orientação sexual, por sua classe social. Estamos dizendo que o genocídio negro e indígena tem que parar. Ao pedirmos justiça por Marielle estamos pedindo justiça por Marielle, estamos pedindo justiça por Anderson e estamos pedindo justiça por todos os que foram assassinados por sua cor, por sua orientação sexual, por sua origem social, por seu gênero, por suas lutas políticas.
A investigação sobre a execução de Marielle já lançou luz sobre o crime organizado, em especial as milícias, no Rio. Identificar, julgar e responsabilizar os mandantes do assassinato de Marielle Franco vai, ao mesmo tempo, revelar ainda mais o Brasil e também mudar o Brasil.
A responsabilização ou a não responsabilização dos mandantes da execução de Marielle determinará que país seremos e também que povo seremos. O assassinato de Marielle e a nossa capacidade, como sociedade, de fazer ou não justiça, representa essa encruzilhada. Essa é uma luta entre os Brasis que acreditam que as Marielles podem continuar sendo assassinadas sempre que deixarem o lugar subalterno que foi determinado às mulheres negras e os Brasis que acreditam que é preciso acabar com o racismo estrutural ou não teremos nenhuma chance de criar um futuro possível com todos os outros. Vidas negras importam, é isso o que estamos dizendo. Estamos dizendo também, junto com a Coalizão Negra por Direitos, que enquanto houver racismo não haverá democracia.

Marielle representa as periferias que reivindicam seu legítimo lugar de centro, representa tudo o que as forças autoritárias querem silenciar e apagar – também à bala. Não permitiremos!

Meu pequeno gesto diário, há 1000 dias, é resistência. Quando eu tuíto e posto no Facebook – Quem mandou matar Marielle? E por quê? – estou fazendo o pequeno, muito pequeno mesmo, gesto de levantar meu cartaz e fincar numa esquina movimentada de mundo. Se formos milhões pedindo todos os dias justiça por Marielle, nos moveremos nesse país. Em direção à vida, em direção à equidade racial, social, de gênero. Vamos todos, juntos, perguntar todos os dias, vamos todos exigir justiça para Marielle e Anderson, vamos todos afirmar em uma só voz: nenhuma/nenhum a menos.

#1000DiasSemMarielle

#1000DiasSemAnderson

#1000DiasSemRespostas

#1000DiasSemJustiça

#MariellePresente

 

Precisamos falar sobre o PSDB

Precisamos falar como o partido abandonou a social-democracia, migrou para a direita e deixou amplas digitais na destruição do processo democrático. Um dos principais riscos da polarização é justamente embaralhar o que é continuidade e o que é ruptura. Neste momento, em que o PSDB, hoje um partido de direita, tenta se vender como o “centro” que um dia foi, é fundamental recuperar a perspectiva do processo histórico. A falta de responsabilização do PSDB como um dos principais agentes de destruição da democracia é um dos enigmas da atual paisagem política brasileira. Ao embarcar no discurso do antipetismo, o PSDB colaborou fortemente para colocar na conta exclusiva do PT todo o desencanto com a política e os políticos, ao mesmo tempo em que se aproximou de tudo o que Jair Bolsonaro representa e defende. O partido deixou amplamente suas digitais na corrosão da democracia cujas consequências são Jair Bolsonaro. O PSDB não é apenas mais um que tem seu DNA na mais recente escalada autoritária do Brasil. O PSDB está em sua gênese.

José Serra, João Doria e Bruno Araújo —presidente da sigla— durante a 15ª convenção do PSDB, em maio de 2019.ORLANDO BRITO / PSDB (Reprodução do El País)

José Serra, João Doria e Bruno Araújo —presidente da sigla— durante a 15ª convenção do PSDB, em maio de 2019. ORLANDO BRITO /PSDB (Reprodução do El País)

Leia no EL PAÍS (em português e em espanhol)

Página 4 de 55« Primeira...23456...102030...Última »