Belo Monte: a memória afogada e as palavras-cicatrizes

O Brasil é um construtor de ruínas. O Brasil constrói ruínas em dimensões continentais.
Fiz um TEDx Porto Alegre sobre meu olhar sobre o que é ser um ribeirinho, depois de escutá-los por vários anos, e sobre a minha própria escrita sobre Belo Monte desde 2011.
O que penso neste texto que apresento é algo bem caro para mim, resultado de um longo processo de escuta do modo de vida ribeirinho e de reflexão sobre as possibilidades e as impossibilidades da escrita.

 

O “ursinho” coreano e o tamanduá empalhado

Como a imagem desafia a democracia nos tempos do botão de “curtir”

Kim Jong-un, ditador de um país em que o povo tem pouco ou nenhum acesso à internet , fez uma conquista só possível em tempos de internet. De repente, o ogro do planeta ganha “likes” do mundo inteiro. E sua versão simpática e rotunda ocupa todas as telas por vários dias. É um caso fascinante de mudança de imagem, já que ele tinha terminado 2017 como um tirano maluco. E, em abril de 2018, converteu-se numa espécie de Shrek da geopolítica internacional. É possível compreender por que o encontro entre as duas Coreias foi considerado um “momento histórico”. Mas a história hoje talvez seja a de que Kim Jong-un conseguiu expandir a propaganda enfiada pelas retinas dos nortecoreanos dia após dia desde os tempos do avô para o mundo das democracias, com a velocidade que só a internet permite. Sem trocar o figurino, mas ampliando o sorriso de emoji do retrato oficial.

El líder de Corea del Norte, Kim Jong-un, saluda al presidente de Corea del Sur, Moon Jae-in, en la frontera entre las dos coreas este domingo. STR (AFP/Reprodução El País)

El líder de Corea del Norte, Kim Jong-un, saluda al presidente de Corea del Sur, Moon Jae-in, en la frontera entre las dos coreas este domingo. STR (AFP/Reprodução El País)

Leia no El País (somente em espanhol)

 

La frontera como síntoma

Construção do muro na fronteira do México e Estados Unidos (Mani Albrecht/Fotos Públicas)

Construção do muro na fronteira do México e Estados Unidos (Mani Albrecht/Fotos Públicas)

La frontera es el síntoma furioso de este momento en que los límites del espacio y del tiempo se han desdibujado. El espacio vencido por la instantaneidad de Internet, el tiempo como el presente continuo de la conexión permanente. La frontera en todas partes, multiplicándose, como el virus de una enfermedad letal.

La “línea roja” para Siria es el ejemplo de una frontera que se vende como virtuosa, pero que sirve para reforzar las fronteras que a EE UU y las potencias europeas les interesan marcar para disputar recursos e influencias. Por lo menos, cabe hacer la pregunta al revés: si no es con armas químicas, ¿a cuántos civiles puede matar el dictador sirio, Bachar el Asad, apoyado por la Rusia de Vladímir Putin, sin herir los sentimientos de los líderes americano y europeos?

Minha coluna no El País  (só em espanhol)

Lula, o inconciliável

O ex-presidente Lula, durante entrevista em São Paulo. TONI PIRES (Reprodução E

O ex-presidente Lula, durante entrevista em São Paulo. TONI PIRES (Reprodução EL PAÍS Brasil)

Qual é a relação entre o ódio de uma parcela dos brasileiros contra o maior líder popular da história recente e a fratura do projeto de conciliação que ele representou nos anos que ocupou o poder?

Leia, AQUI, na minha coluna no EL PAÍS Brasil

As duas colunas publicadas no El País nesta semana são conectadas. Busco refletir sobre a dimensão histórica deste momento de Lula e dos Brasis, para além dos afetos, e a partir do meu olhar e da minha experiência como repórter. Espero que seja interessante para a reflexão de cada um.

Leia também: Lula, o humano 

Página 3 de 2612345...1020...Última »